domingo - 29/05/2016 - 23:59h

Pensando bem…


“Estranho, como a paixão cega cada pessoa em sua opinião.”

Molière, Escola de Mulheres

Categoria(s): Pensando bem...
domingo - 29/05/2016 - 23:34h
Mossoró

Precariedade de Bombeiros será tema de audiência


A Câmara Municipal de Mossoró irá debater amanhã (segunda-feira, 30), às 9 horas, na sala João Niceras de Morais – plenário da Casa Legislativa –, sobre a Deficiência do Corpo de Bombeiros de Mossoró.

A proposta do vereador Vingt-un Neto objetiva discutir a estrutura do Corpo de Bombeiros no município.

“Nosso mandato recebeu solicitações de funcionários do órgão preocupados com a estrutura do Corpo de Bombeiros em nossa cidade. Segundo a ONU é preciso um bombeiro trabalhando para cada mil habitantes, no caso de Mossoró precisaríamos de cerca de 300 homens”, ressaltou Vingt-un.

De acordo com o parlamentar, Mossoró conta apenas com setenta homens, um déficit humano que chega a 74%.

Outra preocupação apontada por Vingt-un Neto é a falta de equipamento apropriado para controlar incêndios em prédios acima de dois andares.

Com informações da Assecom da Câmara Municipal de Mossoró.

Categoria(s): Administração Pública / Segurança Pública/Polícia
  • Câmara - TV Câmera correto - 07-09-15
domingo - 29/05/2016 - 22:28h
Mossoró

Insucessos pesam sobre personagens da campanha 2014


O ministro do Turismo, ex-deputado federal Henrique Alves (PMDB), retornou nesse sábado (28) a Mossoró para programação político-eleitoral do seu partido (veja AQUI). Repetiu um pouco do que fez em 2014, quando foi candidato a governador.

As lembranças mossoroenses mais recentes dele e de seus aliados locais não são das melhores, além dos próprios infortúnios políticos. Na volta à cidade, Henrique até repetiu parte do “script” da campanha de 2014, que lhe causou considerável vexame em Mossoró.

Promoveu evento do seu partido dirigido a pré-candidatos, através da Fundação Ulysses Guimarães – na Câmara Municipal. Mas participação teve comparecimento modestíssimo. Seu PMDB segue desarticulado em Mossoró.

Insucessos

Como em 2014, Henrique esteve em separado com seus principais apoios. Visitou a prefeita cassada Cláudia Regina (DEM), conversou com a ex-deputada federal Sandra Rosado (PSB) e dividiu mesa na Câmara com Fafá.

Em 2014, sua campanha em Mossoró teve três palanques. As três lideranças nas se “bicavam” e ele não conseguiu juntá-las. Compreensível duas derrotas expressivas para Robinson Faria (PSD), nos dois turnos eleitorais. Terminou sem mandato.

Cláudia teve cassação e inelegibilidade por oito anos confirmadas posteriormente, Sandra e a filha (então deputada estadual Larissa Rosado-PSB) não se reelegeram, Fafá não obteve êxito à Câmara Federal e seu marido não voltou à Assembleia Legislativa.

Toc, toc, toc. Três batidas na madeira, galhinho de arruda e banho de sal grosso vão fazer bem a todos, além de não repetir certos erros evidentes demais.

Categoria(s): Política
domingo - 29/05/2016 - 20:35h
Série C

América é líder com vitória contra o River


Do G1RN

O América-RN é o líder isolado do grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. Neste domingo, o Mecão enfrentou o River-PI e o forte calor de Teresina e conseguiu vencer por 3 a 2. Os gols da partida saíram no segundo tempo. O Alvirrubro fez com o meia Elias, duas vezes, e com o atacante Luiz Eduardo.

O Galo Carijó ainda ensaiou uma reação e diminuiu com o atacante Vanderlei e o meia Júnior Xuxa. O resultado deixa a equipe potiguar com 100% de aproveitamento e seis pontos na classificação, enquanto o clube piauiense cai para a nona colocação, com apenas um ponto.

A terceira rodada da Série C terá jogos no próximo domingo, quando o River-PI joga mais uma vez no Estádio Albertão, desta vez contra o Remo.

O jogo está marcado para as 19h.

Na segunda-feira, é a vez do América-RN voltar a jogar em Natal, quando recebe o Fortaleza, às 20h, na Arena das Dunas.

Categoria(s): Esporte
  • Jornal das Cinco - Permanente
domingo - 29/05/2016 - 09:04h

Uma obra essencial acerca da elite política


Por Honório de Medeiros

Tempos atrás recebi, pelo correio, comprado através da “Estante Virtual” (www.estantevirtual.com.br) – esse desaguadouro para o qual todos os bibliômanos brasileiros convergem, a obra “La Clase Política”, de Gaetano Mosca, com seleção e introdução de Norberto Bobbio, edição popular (livro de bolso, trocando em miúdos) do “Fondo de Cultura Económica” de 1984, México, após procura na qual se alternavam períodos de calmaria e outros de busca frenética.

Desconfio, claro, muito embora sejam reais as dificuldades de encontrar esse texto – tomo como prova o fato de somente agora conseguir encontrá-la nesse imenso sebo virtual mencionado acima, ao qual recorri em muitas oportunidades – que era para ser assim mesmo, ou seja, não me seria fácil adquirir, manusear, analisar e criticar metodicamente, em seus detalhes, a obra que Gaetano Mosca, já octogenário, classificava como “seu trabalho maior”, “seu testamento científico”, e à qual dedicara suas melhores energias durante quarenta anos, como nos lembra Norberto Bobbio em sua introdução.

Isso por que dou como certo que os livros têm vida, e muito mais que adquiri-los, somos, por eles, adquiridos, tal como nos leva a crer Carlos Ruiz Zafón em seu “A Sombra do Vento”, quando nos apresenta ao “Cemitério dos Livros Esquecidos”, localizado em misterioso lugar do centro histórico de Barcelona, fantasia, bem o creio, nascida de suas leituras do imenso Jorge Luis Borges e de seu maravilhoso conto “A Biblioteca de Babel”, em “Ficções”.

E, em tendo vida, e vontade própria, houve por bem “A Classe Política” brincar comigo de gato e rato, sem dúvida por considerar que meus arroubos juvenis criticando Marx, nos corredores da Faculdade de Direito, firmado em leituras ainda pouco digeridas, de Popper e Aron, não mereciam o suporte final de uma metódica construção teórica da qual resultava a hipótese – que assombrava meus pensamentos em seus contornos imprecisos – de que há uma elite dominante presente em todas as sociedades, sejam quais sejam elas, seja qual seja a época.

É como nos diz a apresentação do livro, em sua contracapa: “Mosca considera que hay uma clase política presente em todas las sociedades. Gobiernos que parecen de mayoría están integrados por minorias militares, sacerdotales, oligarquias hereditárias y la aristocracia de la riqueza o la inteligencia”.

Percebo, portanto, que “A Classe Política” aguardou o momento certo: quando fosse possível, na medida de meus esforços, compreender que há uma relação entre sua idéia central, a Teoria da Evolução de Darwin – naquela vertente anatematizada da Sociobiologia – e a Teoria Pura do Direito, de Hans Kelsen, que me permitisse não somente iniciar, para mim mesmo, a descrição do fenômeno jurídico em sua totalidade, seja como conjunto de normas jurídicas, seja como fato social, ela se tornaria, então, disponível.

Assim, resta ler, ler de novo, e reler o que escreveu, acerca da “elite política” esse italiano nascido em Palermo, em 1º de abril de 1858, falecido em Roma em 8 de novembro de 1941, aos oitenta e três anos. Foi professor de “História das Doutrinas Políticas” na Universidade de Roma e Docente Livre em Direito Constitucional na Universidade de Palermo.

Ensinou, também, na Universidade de Turim, Deputado, Senador do Reino, Subsecretário das Colônias, e colaborador do Corriere della Sera e La Tribuna. Em 19 de dezembro de 1923 se retirou da vida política ativa e se dedicou exclusivamente a seus estudos, em particular no campo da história das doutrinas políticas.

Ler, com especial atenção, um capítulo denominado “Origens da doutrina da classe política e causas que obstaculizaram sua difusão”, no qual Mosca credita o pouco conhecimento da “teoria da elite política” à hegemonia do pensamento de Montesquieu e Rousseau.

Hegemonia essa, ouso dizer, que serve como uma luva feita à mão na estratégia adaptativa de aquisição e manutenção do poder empreendida pelas elites dirigentes após a Revolução Francesa de 1789. E que culminou, no campo do Direito, na inserção, em Constituições Federais, de princípios jurídicos difusos que se prestam a serem interpretados de acordo com as conveniências de quem os interpreta.

Curioso é que muito embora eu, finalmente, tenha conseguido pôr minhas mãos nessa obra, ela ainda não me veio por inteiro. Trata-se, no caso, de uma seleção de textos feita por Bobbio. Tanto que, no final, há um capítulo no qual se apresenta o resumo dos capítulos omitidos.

Nestes, há uma refutação das doutrinas do materialismo histórico e da concepção segundo a qual deveriam chegar ao governo os melhores, tema retomado por Karl Popper em “A Sociedade Aberta e Seus Inimigos”, onde critica Karl Marx e Platão.

Ou seja, a busca continua.

Honório de Medeiros é professor, escritor e ex-secretário da Prefeitura do Natal e do Estado do RN

Categoria(s): Artigo
domingo - 29/05/2016 - 08:53h
Polêmica

Policiais civis reagem a declarações do Capitão Styvenson


O Sindicato da Polícia Civil do RN (SINPOL-RN) reagiu às declarações do Capitão Styvenson (veja postagem abaixo), de críticas à policiais civis. Veja abaixo:

O SINPOL-RN vem a público expressar seu total repúdio a recente declaração dada pelo capitão Styvenson Valentim a respeito dos policiais civis do Rio Grande do Norte. Em áudio divulgado nas redes sociais, o oficial da PM potiguar ataca policiais civis dizendo que estes “ganham muito bem para não fazer nada”.

Tal declaração é despropositada e, principalmente, desrespeitosa para com uma categoria que tanto faz pela segurança pública do Rio Grande do Norte. Ao contrário do que pensa e declara o capitão Styvenson, os policiais civis trabalham duro diariamente, mesmo sem muitas vezes disporem de condições e estrutura adequada.

Acontece que, ao contrário do próprio capitão Styvenson, os policiais civis não usam a mídia para promoção pessoal e nem para expor o trabalho que é feito diariamente. Os policiais civis trabalham de maneira silenciosa, usando de inteligência e ferramentas investigativas.

O SINPOL-RN respeita o trabalho desenvolvido pela equipe do capitão Styvenson na Lei Seca, mas ressalta que a opinião dele sobre a categoria policial civil não condiz com a realidade. Reforçamos que se o referido oficial teve qualquer problema com algum integrante da Polícia Civil que procure as esferas competentes para tentar solucionar tal problema, ao invés de usar redes sociais para atacar toda uma classe profissional.

Reiteramos nossa estima a todas as instituições que fazem a Segurança Pública do Rio Grande do Norte com a certeza de que o posicionamento e comportamento do capitão Styvenson não é uma regra dentro da Polícia Militar. Os policiais civis, assim como militares, federais ou rodoviários merecem respeito do capitão Styvenson e de todos os cidadãos.

Por fim, frisamos que em nome de todos os policiais civis iremos tomar medidas cabíveis para exigir, no mínimo, uma retratação por parte do capitão Styvenson.

SINPOL-RN

Categoria(s): Segurança Pública/Polícia
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
domingo - 29/05/2016 - 08:28h
Redes sociais

Capytão Styvenson entra em polêmica com Polícia Civil


Do Blog do FM

Está circulando com força na internet um áudio cuja autoria está sendo atribuída ao capitão Styvenson Valentim, coordenador da Lei Seca no Rio Grande do Norte. Na gravação, que vazou para as redes sociais, o militar achincalha com a Policia Civil do Rio Grande do Norte, externando todo o desprezo que aparentemente nutre pela corporação, tradicional aliada da Polícia Militar, instituição da qual faz parte.

Voz de Styvenson desencadeou reação em cadeia (Foto: reprodução)

Nem mesmo a própria PM escapou de ser alvo da retórica egocentrista do militar, que diz que os bons resultados da Operação Lei Seca é decorrente tão somente do seu trabalho pessoal.

“O policiamento que eu faço depende de mim e só de mim mesmo, por isso é coisa bem feita. Não sou vinculado a CPRN, não sou vinculado a Policia Militar e Detran. As coisas que eu faço não é por instituição não. É por mim mesmo”, assinala.

Valentim, que chega a taxar o Brasil de “País de merda”, diz que “o policial civil ganha muito bem para não fazer e um delegado ganha R$ 23 mil para não fazer nada”. Ele complementa afirmando que os “delegados acham que têm poder sobrenatural para não fazer nada”. O capitão afirma ainda que já denunciou as delegacias que não querem trabalhar por “preguiça”.

As declarações do policial militar, conhecido por gostar de se projetar diante dos holofotes da mídia, repercutiram de imediato, fazendo com que surgissem nos grupos de whatsapp novos áudios sobre o assunto.

Bate-boca

Em um deles, um provável policial civil sediado na região Oeste do estado, diz que Valentim quer aparecer e retruca: “mande ele vim aqui para região do Alto Oeste combater bandido e assaltante de banco, pois prender bêbado dirigindo é fácil demais. Agora querer aparecer na mídia e ficar conversando M… ele sabe. Mande ele vim para cá para ver como a gente trabalha”, diz o áudio.

Em um outro áudio que circula na internet, um suposto tenente-coronel PM de nome Valterlei, diz que ouviu “com muita preocupação a fala do capitão, tecendo acusações desnecessárias, inoportunas e que não retratam a verdadeira realidade”.

O oficial superior ressalta que os policiais civil e militar são companheiros inseparáveis. “Quero deixar o meu pedido de desculpas aos valorosos companheiros da Polícia Civil”. Ele enfatiza que Valentim tem o dever de pedir desculpas a Polícia Civil do Rio Grande do Norte.

Ouça o Capitão Styvenson AQUI.

Ouça o suposto tenente-coronel Valterlei AQUI.

Categoria(s): Segurança Pública/Polícia
domingo - 29/05/2016 - 07:56h

O indivíduo manipulado


Por François Silvestre

regimes ditos socialistas a individualidade é rebotalho do “coletivo”, para justificar a falsidade social do regime. E em nome da fantasiosa igualdade todas as brutalidades contra o indivíduo são consumadas. E o coletivo é apenas o ajuntamento de indivíduos atrofiados.

Nos regimes “democráticos” do capitalismo a diferença é de retórica. A prática muda apenas de feição e de feitura. O indivíduo cantado e decantado do liberalismo é tão somente um seguidor do manípulo.

Manípulo é um pequeno feixe da capim, amarrado na ponta de uma vara, que o condutor põe à frente da carroça para enganar o burro condutor. O pobre animal tenta alcançar a ração, que nunca chega ao seu alcance.

O Estado brasileiro é a fisionomia dessa aberração. Qual capitalismo é o nosso? Que nem consegue oferecer as poucas vantagens do capitalismo.

Vejamos: A iniciativa e propriedade privadas são princípios liberais do capitalismo. O indivíduo possui esses dois bens? A iniciativa privada só é bem sucedida no conluio promiscuo com o Estado. Grandes empreiteiras corruptoras aliciando o Estado passivamente corrupto. E vice-versa.

O médio e pequeno empresário é prisioneiro da insegurança, da burocracia e da rapinagem tributária.

Proprietários efetivos só ladrões, assaltantes e trambiqueiros. O posseiro honesto apenas pastora a posse precária do “seu” patrimônio. Sob o risco permanente da bandidagem privada e da roubalheira pública.

O Estado atual é o estuário da legalidade corrompida. A Lei é mãe para os donatários do Estado. E madrasta para o restante, que só é parte do todo nas obrigações. O indivíduo é a barata de Kafka.

Povo só é substantivo concreto na presença repressiva do Estado. No momento dos direitos e garantias individuais o Poder transforma a regra constitucional num rolinho de papel higiênico. Que vai limpar o concreto monossilábico.

O resto do todo, que se reparte em pessoas concretas, vira abstração na privada. Cada um de nós é um substantivo abstrato, ante a concretude repressiva do Estado.

O Estado brasileiro é uma patifaria sócio-institucional. Legalista sem a segurança da legalidade.

A mesma Constituição que “garante” a dignidade da pessoa humana como seu esteio, atribui poderes de falsa ética a quem nega a prescrição fundamental. Fica o dito na parte fundamental descartado pela esperteza do secundariamente estabelecido.

O Anarquismo aponta o dedo acusador contra a bagunça instituída. Contra essa cavilação hipócrita de que os tribunais são condutores das soluções estruturais.

É o Estado resultante da anarquia institucional, triturador do indivíduo. O dito “interesse público” é o disfarce para a opressão individual. Somos burros de carroça, sem saber pra onde nos leva o manípulo. Constituinte Originária já.

Té mais.

François Silvestre é escritor

* Texto originalmente publicado no Novo Jornal.

Categoria(s): Artigo
  • Repet
domingo - 29/05/2016 - 07:06h
Frasqueirão

ABC vence Salgueiro por 2 x 0 na Série C


Por Ayrton Freire (Do portal Noar)

Dois minutos. Foi disso que o ABC precisou para faturar na noite deste sábado (28) sua primeira vitória na Série C do Campeonato Brasileiro. A vítima no estádio Frasqueirão foi o Salgueiro – que fez um ótimo primeiro tempo – mas não conseguiu sucesso nas chances que criou e viu o time alvinegro exibir precisão na segunda etapa.

Os gols foram todos no tempo final – aliás, o único em que a equipe potiguar conseguiu fazer boa apresentação. Os autores dos gols foram o volante Márcio Passos, aos 27 minutos, e o atacante Jones Carioca que anotou dois minutos depois.

Um primeiro tempo horroroso do ABC. O time terminou a etapa sem chutar ao menos uma vez ao gol defendido por Luciano. O goleiro que apareceu bastante foi Vaná, do escrete alvinegro. Este fez pelo menos quatro grandes intervenções em jogadas da boa dupla de ataque da equipe pernambucana formada por Piauí e Tatu.

Na etapa final, o técnico alvinegro Geninho insistiu em não substituir jogadores e preferiu mudar a postura da equipe dentro de campo. A prova disso é que a primeira alteração ocorreu aos 42 minutos quanto a equipe já vencia o jogo depois da cabeça eficiente de Márcio Passos e do oportunismo de Jones. No fim, deu certo e os 1817 torcedores que estiveram no Frasqueirão tiveram motivos para comemorar.

Resumo técnico

Campeonato Brasileiro Série C: ABC 2×0 Salgueiro-PE; Frasqueirão, Natal-RN.

Gols: Márcio Passos, aos 27′ do 2º, e Jones aos 29′.

ABC: Vaná; Filipi Sousa, Cleiton, Léo Fortunato e Marrone; Márcio Passos, Erivélton (Dalberto), Lúcio Flávio (Mendes) e Echeverria (Anderson Pedra); Nando e Jones Carioca. Técnico: Geninho.

Salgueiro: Luciano; Tamandaré, Luiz Eduardo, Rogério e Daniel (Lucas Piauí); Rodolfo, Moreilândia, Toty (Jefferson) e Cássio (Rafael Mineiro); Tatu e Piauí. Técnico: Evandro Guimarães.

Categoria(s): Esporte
domingo - 29/05/2016 - 03:14h
Opinião

A “cultura do estupro” que não nos cabe


Acho um equívoco se falar em “Cultura do estupro” no Brasil.

Sabemos do costume, até no ambiente prisional, de punição cruel a estupradores.

Fora desse submundo, o comum é também se execrar e até se reagir ferozmente contra esse crime humilhante.

Somos intolerantes em relação a essa barbárie.

Protesto na Índia de mulheres, que levaram país a adotar lei sobre estupro (Foto: Huffpost Brasil)

A sociedade não cultua o estuprador, também não é leniente em relação a essa prática abjeta.

No episódio que tem sido narrado, ocorrido há poucos dias no Rio de Janeiro, muita gente deixa em segundo plano certos “detalhes”: o ambiente, os personagens.

Uma jovem de 16 anos teria sido supostamente estuprada por 33 homens, a maioria deles armados, gente do tráfico.

A atmosfera de liberalidade sexual, de incenso a traficantes e a ausência da tutela familiar em relação aos jovens, criam esses monstros e suas vítimas quase sempre indefesas.

Ninguém compare a realidade brasileira com a cultura sim, real, do estupro coletivo promovido na Índia. Hoje, sob legislação punitiva, mas ainda assim longe de ser exemplar contra esses subprodutos humanos.

São dois mundos diferentes, não obstante com práticas similares.

Categoria(s): Artigo
  • Jornal das Cinco - Permanente
sábado - 28/05/2016 - 23:38h

Pensando bem…


“A maneira como você coleta, gerencia e utiliza as informações determina se você vai vencer ou perder.”

Bill Gates

Categoria(s): Pensando bem...
sábado - 28/05/2016 - 12:30h
Ah, tá!

Lula articulava corrupção na Petrobras, diz delator Pedro Corrêa


Do G1

Pedro Corrêa, político condenado no Mensalão e também preso pela Lava Jato, fez uma Delação Premiada, na qual cita como corruptos vários deputados, senadores, ministros, ex-ministros e, pelo menos, um governador.  Corrêa afirma também que o ex-presidente Lula articulava o esquema de corrupção na Petrobras.

Pedro Corrêa tem narrativa constante de delação premiada (Foto: O Globo)

Ele cumpre pena em regime semiaberto pela condenação no Mensalão do PT quando foi novamente preso em abril do ano passado por envolvimento na Operação Lava Jato. A reincidência de Corrêa em esquemas de corrupção e a prisão levaram o ex-deputado federal pelo Partido Progressista a assinar com o Ministério Público Federal um acordo de Delação Premiada.

Os detalhes estão na edição deste fim de semana da Revista Veja.

De acordo com a revista, Pedro Corrêa deu detalhes da primeira vez que embolsou propina por contratos no extinto INAMPS, ainda na década de 70. E admitiu, segundo a Veja, ter recebido dinheiro desviado de quase 20 órgãos do governo.

Na delação, Pedro Corrêa deixa claro que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema de desvio de dinheiro dentro da Petrobras, De acordo com a Veja, o ex-deputado disse que Lula gerenciou pessoalmente o esquema de corrupção da Petrobras – da indicação dos diretores corruptos da estatal à divisão do dinheiro desviado entre os políticos e os partidos.

Propina

E descreve situações em que Lula tratou com caciques do PP sobre a distribuição de propina em contratos na diretoria de abastecimento da Petrobras, comandada porPaulo Roberto Costa, que Lula de chamava de Paulinho.

Correa contou que parlamentares do PP se rebelaram contra o avanço do PMDB nos contratos da diretoria. Um grupo foi ao Palácio do Planalto reclamar com Lula da “invasão”. De acordo com Pedro Corrêa, Lula passou uma descompostura nos deputados dizendo que eles “estavam com as burras cheias de dinheiro” e que a diretoria era “muito grande ” e tinha que “atender os outros aliados” pois o orçamento era muito grande. A diretoria era capaz de atender todo mundo. Segundo a revista, os caciques do PP se conformaram quando Lula garantiu que a maior parte das comissões seria do partido.

Com a ordem de Lula para que os partidos se entendessem, Pedro Corrêa diz ter se reunido com membros graúdos do PMDB para tratar da partilha. Um dos primeiros a ser procurados “para buscar o melhor entendimento na arrecadação”, foi o senador Renan Calheiros acompanhado do deputado Anibal Gomes do Ceará. E fez o mesmo com o deputado Eduardo Cunha e com o senador Romero Juca, todos eles do PMDB.

De acordo com a revista, acertados os termos com os membros do PMDB, os negócios a partir de 2006 começaram a fluir. De acordo com a revista, o delator exemplifica a simbiose em uma reunião que contou com a participação dos diretores Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, dos senadores Renan Calheiros, Romero Jucá, Jader Barbalho e Henrique Eduardo Alves, atual ministro do Turismo e do lobista Jorge Luz.

Segundo a revista, no encontro, os caciques do PMDB apresentaram uma fatura salgada para apoiar a permanência de Costa e Cerveró na Petrobras: 18 milhões de dólares em propina que deveria ser paga a tempo de financiar a campanha do ano – receberam 6 milhões de dólares.

De acordo com a revista, Pedro Corrêa disse que atual ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, ficava com parte de tudo o que era arrecadado pelo esquema do PMDB. Eduardo Cunha recebeu parte dos 6 milhões de dólares e o ex-ministro e atualmente senador Edison Lobão tinha participação nos contratos com as grandes empreiteiras.

E o atual secretário de governo, Geddel Vieira Lima, foi o responsável pela indicação do senador cassado Delcidio do Amaral, que era do PT, para uma diretoria da Petrobras no governo Fernando Henrique.

Delcidio, segundo o delator, cobrava propina junto às empresas que tinham negócios na diretoria e depois repassava uma parte para o PMDB e outra parte para o PP.

Conforme publicado pela Veja, Corrêa também acrescentou que o laboratório SEM pagava propina para os ex-ministros José Dirceu e Alexandre Padilha. E que vantagens também eram cobradas das empresas que se habilitavam a participar do programa Minha Casa Minha Vida, uma das marcas do governo Dilma. O senador Aécio Neves, presidente do PSDB, também teria negociado pagamentos para seu partido numa obra de Furnas.

A delação de Pedro Corrêa aguarda a homologação do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Além desses citados, na colaboração de Pedro Corrêa, que a Veja publicou, aparecem os nomes de outros políticos – deputados, senadores, ministros, ex-ministros e pelo menos um governador.

Henrique se defende

Em seu Twitter, Henrique Alves rechaçou acusações: “Sobre a delação de Pedro Corrêa publicada na Veja, reforço que a citação é absurda, mentirosa, irresponsável e cretina.”

Acrescentou ainda: “Nunca tratei desses assuntos com esse delator ou com quem quer que seja, em qualquer tempo ou lugar.”

Categoria(s): Política
sábado - 28/05/2016 - 12:12h
Segunda-feira, 30

Reunião discutirá potencial turístico de cavernas do RN


O Governo do Estado realiza na próxima segunda-feira (30), às 11h, no Auditório do Gabinete Civil, reunião com prefeitos de diferentes municípios para discutir as potencialidades turísticas em cavernas no Rio Grande do Norte.

A reunião contará com a presença do Analista Ambiental, Diego de Medeiros Bento, Chefe da Base Avançada do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (CECAV), ligado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que trará um mapeamento das cavidades com potencial turístico.

Será apresentado ainda um projeto para que o Parque Nacional Furna Feia, localizado em Mossoró e Baraúna, entre em operação, com regulamentação das visitas, e possa fazer parte dos roteiros de ecoturismo de aventura do país.

A apresentação ficará a cargo do Leonardo Brasil, chefe do Parque. Criado em 2012, o Furna Feia, é o maior parque nacional de cavernas do Brasil e representa um dos maiores biomas remanescentes da caatinga, com grande importância no cenário espeleológico brasileiro.

Com informações da Assecom do Governo do Estado.

Categoria(s): Administração Pública / Economia
sábado - 28/05/2016 - 12:06h
Mossoró

PMDB promove evento preparatório às eleições deste ano


O ministro do Turismo do Governo Michel Temer, ex-deputado federal Henrique Alves (PMDB), está em Mossoró. Ele participa de evento organizado pela Fundação Ulysses Guimarães na Câmara Municipal.

Henrique discursa e fala sobre "pacto federativo" a participantes do evento (Foto: Twitter de Henrique Alves)

Iniciativa é dirigida a pré-candidatos a vereador e prefeito na cidade e região. Faz parte de preparativos das as eleições deste ano.

Entre os participantes, a ex-prefeita Fafá Rosado e vereadores Izabel Montenegro e Alex Moacir, bem como o deputado estadual Gustavo Fernandes, todos do PMDB.

“Estamos perto das eleições mais importantes para o cidadão. É momento também de se rever o pacto federativo,” disse Henrique Alves.

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Política
  • Lion, Moda Masculina, de João Paulo Araújo - 11-08-15
sábado - 28/05/2016 - 11:20h
Egolatria e política

Prefeito faz culto à própria imagem numa fuga da realidade

Revista da Femurn, que congrega cerca de 144 prefeituras, exagera na imagem de Francisco José Jr.

O culto à personalidade, que podemos tratar sob o olhar da psicologia como “egolatria”, é uma das mais comuns manifestações da exacerbação do “eu” no indivíduo que chega ao poder político – com raras exceções. Em Mossoró, então… é quase regra àqueles que se aboletam na cadeira de prefeito.

Revista na primeira pessoa: eu (Foto: reprodução)

O Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira define o que é Egolatria, para nos situar melhor:

1) Sentimento excessivo da própria personalidade;

2) Tendência a monopolizar a atenção, mostrando desconsideração pelas opiniões alheias.

As duas características que se fundem, acabam por se acoplar como uma nova epiderme ao prefeito Francisco José Júnior (PSD), que promete construir um santuário para a padroeira cristã da cidade – Santa Luzia – no alto da Serra Mossoró, mas talvez intimamente se sinta o próprio Deus vivo; a reencarnação do faraó Ramsés, que reinou pensando ser uma divindade do velho Egito.

“O cara”

Sua mais nova demonstração de zelo excessivo e expansivo da própria imagem, em contraposição à prioridade que deveria ser governar e governar bem, está numa revista. Pago com recursos de cerca de 144 prefeituras associadas à Federação dos Municípios do RN (FEMURN) – presidida por ele – o impresso não economiza na lapidação do prefeito.

A publicação em policromia e 40 páginas denominada de “Femurn em Dia” é um incenso em celulose ao presidente e prefeito, ao gestor, ao “cara”. Francisco José Júnior aparece em destaque em 19 fotos. O ‘ritual’ deifica o prefeito em praticamente metade de suas páginas.

Milhares de exemplares são distribuídos gratuitamente em Mossoró desde o dia passado, onde seu reinado parece não ter “súditos” muito satisfeitos com a propaganda e menos ainda com a administração municipal. Há um conflito entre auto-imagem e realidade. Na verdade, um abismo.

O mais do mesmo

Essa abundância de divulgação superdimensionada, num ano eleitoral e com dinheiro alheio, reitera como nada mudou com o sobrenome “Silveira” em vez de Rosado no Palácio da Resistência. O mais do mesmo. Seis por meia dúzia em termos de personalismo.

O novo nada mais é do que o comum há décadas, feito para criar a sensação de que o inquilino da sede da Prefeitura é o “centro de tudo”. A crença é de que tudo se converte em votos, sob a lógica do marketing político e eleitoral.

A personalização não obedece apenas a uma suposta tese marqueteira. Na verdade é um embuste que faz cócegas prioritariamente no ego do próprio prefeito.

Ele acredita com fervor no que é exposto de forma desmedida na revista cuidadosamente feita para agradá-lo, encomendada para agradá-lo e banhada com fotos que são do seu agrado. Daí a prevalência da egolatria, muito mais do que dos fatos narrados na publicação.

Reprovação e rejeição

A super-exposição é como o “bronze” que a adolescente deseja ganhar sob o sol. Sem filtro solar e parcimônia diante do astro-rei, que no caso de Francisco José Júnior é a ausência de bom senso, tudo queima.

Por isso que ele não consegue entender como uma recente pesquisa o reprovou administrativamente com 80,33% (veja AQUI) e identificou 53,12 de rejeição eleitoral a seu nome (veja AQUI).

Mas vá dizer isso a ele. Ególatra detesta ser contrariado. Vê tudo sempre na primeira pessoa: “Eu!”

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Política / Reportagem Especial
sábado - 28/05/2016 - 10:23h
É o que é!

Eleições e um Congresso sem amparo moral algum


É tolo ou capcioso quem advoga mais eleição no Brasil para remediar crise política ou mesmo econômica.

Brasil é campeão de eleições no planeta terra.

Nenhum país do mundo promove tanta eleição como o nosso.

Nem assim temos uma democracia séria e confiável.

Reforma política é o caminho. Pleitos viciados sob manto do instituto da reeleição alargaram a corrupção desde o final dos anos 90.

PSDB criou-o e o seu ‘parceiro’ PT o manteve com o apoio maciço de dezenas de partidos.

Atual Congresso não tem amparo moral para reforma alguma. Está apto para ocupar e fazer faxina nas celas na Papuda.

Essa gente é o que é!!

Não mudará por pressão das ruas ou sustos e prisões promovidas pelo juiz Sérgio Moro.

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

 

Categoria(s): Opinião da Coluna do Herzog
  • Câmara - TV Câmera correto - 07-09-15
sábado - 28/05/2016 - 07:56h
Baraúna

Pré-candidatura a prefeito será lançada com vários partidos


Vai ocorrer nesse domingo (29) o lançamento da pré-candidatura de Divanize Oliveira à Prefeitura de Baraúna. O evento ocorrerá na Câmara dos Vereadores às 8 horas.

Divanize começa a forma leque de apoios (Foto: arquivo)

Filiada ao PSD, Divanize receberá o apoio formal de outros sete partidos: PDT, PHS, Solidariedade, PMN, PSC, PSDC e PROS.

Exercendo segundo mandato de vereadora, filha do ex-vereador e ex-vice-prefeito José Ivan de Oliveira, que chegou a disputar a prefeitura em 1992, Divanize defende uma mudança radical na política baraunense, a partir da construção de uma aliança que possa dar à cidade uma gestão mais eficiente.

Caos administrativo

Sua postulação surge em meio ao caos administrativo e histórico recente de instabilidade político-institucional, que no município se junta a uma conjuntura nacional precária, comprometendo a vida dos baraunenses e a própria coisa pública.

“Queremos mudar para dar ao povo uma vida melhor, discutindo com o próprio povo suas aspirações, em busca de soluções que passam pelo respeito à sua vontade e zelo pela administração” – disse Divanize.

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Política
sábado - 28/05/2016 - 07:34h
Reflexão

Política e religião


“Eu me preocupo quando um político abandona a Constituição e usa a Bíblia em seu lugar”.

Frase do padre Talvacy Chaves, pároco da Igreja de Nossa Senhora de Fátima no Abolição II, em Mossoró, em entrevista ao programa “Cenário Político” da TV Cabo Mossoró (TCM), nessa sexta-feira (27).

* Talvacy viaja nos próximos dias para estudos nos Estados Unidos e, posteriormente, Roma.

Nota do Blog – Boa viagem e sucesso, caríssimo!

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Política
  • Repet
sábado - 28/05/2016 - 06:51h
Maduro

Um ‘golpe’ contra o capitalismo


A ditadura de Nícolas Maduro na Venezuela conseguiu feito histórico impensável contra um dos símbolos do capitalismo.

E por motivo prosaico.

Não se trata de decreto.

A poderosíssima Coca-cola parou produção no país por falta de açúcar.

Seu governo já tinha criado final de semana com três dias para economizar energia elétrica.

Falta decretar um dia com 20 horas e que cada venezuelano use frente e verso do rolo de papel higiênico que conseguir comprar.

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Política
sexta-feira - 27/05/2016 - 23:58h

Pensando bem…


“A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.”

Fernando Pessoa

Categoria(s): Pensando bem...
  • Jornal das Cinco - Permanente
sexta-feira - 27/05/2016 - 10:28h
Direito autoral

Respeitem, por favor!


Apelo, renovado, a quem usa textos do Blog do Carlos Santos e não dá crédito: pare com isso.

É crime, mas acima de tudo falta de respeito.

Textos que publicamos nesta página, de outra origem, fazemos questão de identificar logo acima da matéria, por respeito e justiça. E agradecimento, também.

Os que são originários de assessorias, também. Colocamos o padrão “Com informações de…” abaixo da matéria.

Com as fotos temos o mesmo tratamento de postar autoria, mesmo que às vezes seja até difícil identificar a origem.

Incontáveis textos do Blog do Carlos Santos são reproduzidos parcial ou por completo, sem sequer tirarem vírgulas e erros, em flagrante SACANAGEM.

Respeitem.

É só!

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Comunicado do Blog
sexta-feira - 27/05/2016 - 10:10h
Prioridade

Exemplos do presidente do Flamengo e do governador do RN


Convocado para chefiar delegação da Seleção de futebol do Brasil na Copa América, nos Estados Unidos, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, pediu dispensa.

Priorizará o rubro-negro carioca.

Optou, acertadamente, por ficar no Brasil tentando debelar séria crise no clube e time.

Já no Rio Grande do Norte, o governador Robinson Faria (PSD) faz diferente.

Arrumou as malas e foi para os Estados Unidos com a família, em férias por 12 dias.

Deixou para trás o caos.

Momento mais inoportuno à vilegiatura internacional, só se for mais adiante.

Sem pressa.

Vá entender.

Acompanhe nosso Twitter e veja postagens mais ágeis clicando AQUI.

Categoria(s): Esporte / Política
Home | Quem Somos | Regras | Opinião | Especial | Favoritos | Histórico | Fale Conosco
© Copyright 2011. Todos os Direitos Reservados.